RELEMBREMOS O PASSADO DA NOSSA REGIAO

castelo de Sabugal

Entre 1807 e 1810, Napoleão ordenou três invasões a Portugal

Porque o pais  se recusou a aplicar o Bloqueio Continental, na dinâmica expansionista da França Napoleônica

em 27 de Outubro de 1807.

O Tratado de Fontainebleau estipulava a invasão franco-espanhola de Portugal,

1808  Foi nomeada uma junta governativa que tratou rapidamente de organizar tropas e melhorar algumas fortificações da região e entrou em contacto com as povoações vizinhas de Espanha que se tinham rebelado

Em 1801, a Guerra das Laranjas não foi apenas um conflito entre Portugal e Espanha. Na realidade, esta era continuamente pressionada pela França

O Cerco de Almeida ocorreu entre 15 e 28 de Agosto de 1810 A fortaleza de Almeida estava guarnecida com mais de 100 bocas de fogo de artilharia,

solar dos tavoras

As torres do solar tinham como função primitiva ser um elemento de defesa e de habitação, passando mais tarde a ser um sinal de importância e poder da família proprietária do solar.

Esta é uma das poucas Casas Senhoriais que nunca deixou a família, sendo frequentemente imemorizada por esse mesmo motivo.

Este imponente e notável edifício é considerado como o mais representativo das nobres casas do distrito da Guarda.

Considerados os efeitos directos da guerra sobre as populações, as suas condições de vida e a destruição de meios de produção, o período final de 1810 e inicial de 1811 foi certamente o mais dramático da história portuguesa. Entre Setembro de 1810 e Abril de 1811, um exército invasor penetrou no território e, para além da devastação que sempre acompanha a passagem das forças bélicas, permaneceu durante vários meses numa região que devastou, esperando por reforços e procurando uma saída para o impasse táctico em que se encontrava. A resposta ensaiada a essa incursão passou pela deslocação e destruição dos meios de sustento. Uma parte das gentes das regiões afectadas movimentou-se para Lisboa. A «Sopa de Arroios» de Domingos Sequeira1, dentro do número escasso de imagens portuguesas, deixou-nos uma representação da assistência que foi necessário dar aos que chegavam à cidade. As doenças, mais do que os exércitos, dizimaram os habitantes em situação de desespero.

foto nao contractuel

Há 255 anos, a importante família dos Távora atravessava o período mais negro da sua existência, podemos dizer mesmo, um momento verdadeiramente dramático, que levaria à execução de várias sentenças de morte, talvez as mais polémicas que Portugal alguma vez conheceu, quiçá injustas e vingativas, sobre vários membros da família dos Távora, decidida durante o « império pombalino ».

Todos os acusados negaram as acusações que lhes eram feitas, mas, mesmo assim, foram condenados à morte, os seus bens patrimoniais foram confiscados a favor da coroa, o seu nome considerado indigno da nobreza e os brasões familiares foram picados.

O processo que incrimina os Távora é dramaticamente célebre, e hoje poucos são aqueles que duvidam de que se tratou, efetivamente, de um ajuste de contas político de Sebastião José de Carvalho e Melo (Marquês de Pombal) contra a fação palaciana sua adversária. Há mesmo dúvidas acerca da veracidade do atentado contra a vida de D. José, de que se falou oficialmente, apenas três meses depois de ter ocorrido. Do que não existem dúvidas, é que no dia 13 de Janeiro, a sentença condenatória, conhecida apenas na véspera, era executada no patíbulo de Belém.

O primeiro marquês de Távora foi D. Luís Álvares de Távora, por decreto de 6 de Agosto de 1669, dado por D. Pedro II, que assim o recompensava pela sua extraordinária prestação militar nas guerras da Restauração. Era, simultaneamente, o 3.º conde de S. João da Pesqueira e 17.º senhor de Távora,


Posted in BEIRA ALTA, camping, caravaning, decouverte, HISTOIRE, Randonnées by with no comments yet.

Laisser un commentaire

Ce site utilise Akismet pour réduire les indésirables. En savoir plus sur comment les données de vos commentaires sont utilisées.